Artigo

 

Iom Kipur fazer justiça também no Dia do Julgamento

 

“Justiça” em hebraico é “tsédec”, que é um valor importante no judaísmo.

 

Diz a Torá no livro de Vaicrá: “Justiça, justiça perseguirás”. Ao se perguntarem o motivo de a palavra “justiça” aparecer duas vezes, os sábios chegaram à conclusão que a primeira vez se referia à justiça divina e a outra dizia respeito à justiça dos homens.

 

Segundo esta interpretação, existem dois tipos de justiça, e as duas devem se encontrar. Deve haver um esforço conjunto para encontrar justiça na terra e no céu. Então o que é fazer justiça?

 

Justiça é equilibrar aquilo que não está equilibrado, ajudar aquele que sofre com a desigualdade a ter as mesmas oportunidades que os demais. É tentar alcançar o mais próximo possível da igualdade de condições e possibilidades para todas as pessoas.

 

Por exemplo: se uma pessoa tem alguma deficiência física, devemos ajudá-la deixando uma cadeira reservada ou um lugar especial para que ela fique mais confortável. É algo que faz sentido também nos nossos valores universais.

 

Outro exemplo seria ajudar uma pessoa que tem menos possibilidades econômicas que outra através da tsedacá – palavra que vem tsédec, justiça. E a ação que realizamos ao ajudar ao próximo tem esse sentido e significado também.

 

No judaísmo, cada vez que ajudamos alguém não estamos fazendo caridade, mas, sim, justiça social. Tentamos fazer deste mundo um lugar mais justo para todos, onde as pessoas tenham, sem importar quem são, as mesmas possibilidades que as outras, incentivando um maior equilíbrio social.

 

Uma das rezas mais importantes das Grandes Festas nos lembra que a forma de sermos inscritos no Livro da Vida é realizando três coisas: teshuvá, tefilá e tsedacá. A primeira diz respeito à uma ação com nos mesmos e Deus, nosso arrependimento sincero por nossos atos errados durante o ano; a segunda é uma ação realizada em comunidade, rezando; e a última é a que fazemos pelos outros, ajudando, fazendo justiça e tentando dar ao novo ano de cada pessoa novas oportunidades para que se desenvolvam melhor em um cenário de igualdade de condições e cresçam e se fortaleçam junto a suas famílias.

 

Que possamos hoje e por todo 5776 realizar tsédec, justiça, ajudando a comunidade e as pessoas que precisam de nós para poder viver em um mundo mais justo.

 

Deby Grinberg Wajnberg

Rabina e coordenadora da Escola Lafer da CIP