Haazínu

Estamos iniciando um novo ano e, simultaneamente, nos aproximando mais uma vez do término da leitura da Torá. O Shabat que acontece durante os Iamim Noraim, entre Rosh haShaná e Iom Kipur, recebe o nome de Shabat Shuvá, o Shabat do Retorno.
 
O nome deste Shabat vem da haftará, a leitura dos profetas, que realizamos neste sábado pela manhã. A haftará deste Shabat começa com as palavras do profeta Oséias: “Shuva Israel”, “Retorne Israel”, e por esse motivo o Shabat recebeu o nome de Shabat Shuvá.
 
Antigamente não havia o costume de se realizar prédicas em todos os shabatót. No entanto, em duas ocasiões por ano os rabinos faziam seus sermões diante de toda a comunidade. Uma delas era no Shabat que antecede Pêssach, o Shabat Hagadol, e a segunda era justamente no Shabat Shuvá.
 
No Shabat Hagadol, o rabino explicava detalhadamente as complicadas leis de Pêssach e como retirar todo o chamêts de casa. No Shabat Shuvá, os rabinos tentavam guiar a comunidade na retirada das mágoas de seus corações. Mágoas estas que, assim como o chamêts, fermentam e nos desviam do caminho de casa.
 
Mas é também neste Shabat que leremos a parashá Haazínu, a penúltima antes do término da Torá. Escrita em forma de poema, por meio dela Moshé se despede do povo. E ao se despedir, o líder relembra como Deus sempre acolheu o povo como uma águia que acolhe seus filhotes embaixo de suas asas, embora nem sempre o povo tenha sido fiel a Ele. Deus confirma a Moisés que ele não entrará na Terra Prometida. Assim está escrito: “Sobe a este monte Abarim, ao Monte Nebó (…). E morre no monte ao qual tu hás de subir e recolhe-te ao teu povo (…). De lá verás de longe a terra, porém não entrarás na terra que Eu estou dando aos filhos de Israel”.
 
No Shabat Shuvá devemos rever nossos atos, assim como Moshé reviu os atos do povo na parashá Haazínu. Já o fato de Moshé não ter entrado na Terra Prometida, embora esta tenha sido a grande meta da sua vida, nos sugere que os passos que decidimos tomar no nosso percorrer diário são mais valiosos do que a escolha de nossos objetivos.
 
Pedimos a Deus que nos proteja em nossa viagem e que nosso caminho seja abençoado por Deus. “Ushmor Tzetenu Uvoenu Lechaim Ulashalom Meatá Vead Olam” – “Nos proteja na nossa saída e na nossa chegada, hoje e sempre”.
 
Que sejamos confirmados no livro da vida e do bom caminho.

 

Shabat Shalom e Chatimá Tová!
Rabino Michel Schlesinger